FOSS, em defesa do LINUX

Escrito por Phillip Gallas
Publicada em 14/11/2020 · 220 visualizações

Do bom e velho Debian e o Ubuntu, pelo RHEL (Red Hat) & Fedora, até o Arch e Manjaro, as distribuições Linux são os verdadeiros portadores do slogan ‘Think Different’ que uma famosa tech company usou para divulgar seus produtos de sucesso comercial há uns anos. Free and Open-Source Softwares (FOSS) estão em ascensão, não somente porque são livres (como em liberdade & em livre de custos), mas também porque são seguros e privados - e as pessoas gostam disso. Não é segredo para ninguém que as big tech coletam nossos nossos dados de todo jeito possível e imaginável. Esta é uma das razões do porquê conseguem nos fazer anúncios tão precisos de produtos que provavelmente usemos ou compremos. Hoje em dia, mais do que nunca, nossos dados e atenção são produtos vendidos para quem paga mais alto. Dessa maneira, podemos aproveitar serviços aparentemente gratuitos, como o Facebook, Youtube, etc. Até mesmo quando se paga pelo sistema que vá usar, como os iOS & MacOS da Apple, eles ainda coletam seus dados para ‘melhorar a sua experiência’. Querendo ou não, nós nos tornamos essa espécie de produto, sem muita privacidade (sobre o que pesquisamos, os nossos interesses, o que fazemos, com quem, onde, e muito mais), tendo que confiar apenas em entidades orientadas a lucro para (eternamente) armazenar nossos metadados e usá-los apenas com o nosso melhor em mente. Não me entenda mal, nada contra as empresas. Elas até dizem o escopo dos dados que serão coletados, e é um serviço prestado por elas que usamos por vontade própria. O importante aqui é entender o que está em jogo quando fazemos alguma decisão sobre que app baixar e usar. O que essas conveniências custam. Isso é bem escancarado quando usamos um smartphone. Já tentou negar acesso a um app sobre sua lista de contatos quando ele pede por isso? Não vai rodar. Computadores, entretanto, são muito poderosos e customizáveis. Eles entregam muito mais do que vídeos no Youtube, leitores de PDF e plataformas de jogos. Com tempo suficiente de se aprender como usá-los, se acha várias maneiras interessantes de automatizar a vida, simplificar tarefas e criar novas maravilhas. Telegram (um app de mensagens semi open source) oferece muito mais conteúdo do que o WhatsApp. Blender é extremamente rico em funcionalidades de nível profissional e é gratuito para o que vier, de criar animações até modelagem 3D para jogos. Para ser considerado Free and Open-Source, a licença de um Software tem que atingir as Quatro Liberdades Essenciais, definidas pelo Free Software Foundation (FSF):

Não, eu não penso pessoalmente que todos programas devem ser open-source e free, mas FOSS definitivamente têm seu lugar. E nós, como estudantes de Engenharia Elétrica, devemos explorá-los a fundo. Aprender mais sobre FOSS abre novas e grandes oportunidades (especialmente para estudante) de aprender, criar e trabalhar em colaboração com outros. Esses sistemas também são ótimas soluções rápidas para problemas que algumas empresas passam eventualmente, às vezes precisando apenas de curtos excertos de código para sua implementação. Então, sim, os programas de software de código aberto são extremamente úteis para os alunos aprenderem e para as empresas trabalharem. Agora, com isso esclarecido, vamos para o Linux (ou GNU / Linux) em si. Simplificando, GNU (acrônimo recursivo para ‘GNU’s not Unix’) é um projeto de criação de um sistema operacional usando software puramente livre. Linux é o kernel, que é o principal componente essencial de um sistema operacional Linux, que vem com o sistema operacional. Esses kernels Linux são a interface central entre o hardware e o software de um computador e são bem conhecidos por sua estabilidade. TL;DR, a seguir, alguns dos pontos-chave para nós, como estudantes de Engenharia Elétrica, dar uma chance a usar Linux:

1. Excelente sistema para desenvolver habilidades em scripts de Computação e Automação

Uma das coisas que se destacam quando se pensa no Linux é o terminal: a caixa *geralmente* preta ou transparente na tela na qual você conversa diretamente com o computador por meio de alguns comandos de Shell script e linhas de código. No terminal, você pode fazer praticamente tudo o que quiser, ainda mais rápido em comparação com o aplicativo GUI referente na maioria dos casos. Existem programas completos que rodam exclusivamente no terminal, você pode verificar seus e-mails, você pode escrever código, conectar-se com seu servidor pessoal, ler PDFs, navegar em seus diretórios locais, fazer alterações em seu computador, atualizar o sistema e muito, muito mais, usando o terminal. Eles buscam eficácia, velocidade e praticidade. Melhor ainda, é possível criar scripts para automatizar muitas tarefas na chamada de uma função. No Linux, você se sente mais do que convidado a aprender alguns comandos básicos em sua jornada para dominar o sistema. Se os brilhos de curiosidade iluminarem seus olhos, a você será aberto a um amplo conjunto de comandos para assumir o controle de seu sistema. Isso, por sua vez, pode ser traduzido na capacidade de automatizar certos processos, criando novas funcionalidades que atendam às suas necessidades, alterando UIs ou programas existentes e aprendendo como o sistema opera em muitos níveis diferentes. Essa valiosa habilidade pode, eventualmente, pavimentar o caminho para começar um novo trabalho no qual o Linux é essencial.

2. Servidores

Não é nenhum segredo que quase toda a Internet é executada em máquinas Linux espalhadas pelo mundo. Mas é claro, por serem confiáveis ​​e flexíveis (e melhor ainda, por serem gratuitos), os sistemas operacionais se tornaram onipresentes em situações em que a confiança nas máquinas é de extrema importância. Seja em Servidores de Internet ou mesmo Instalações Hospitalares (leia sobre RHEL). Não só saber como usar o Linux tornaria mais fácil para nós conseguirmos um emprego que requer manutenção e trabalho com servidores, mas também nos ajuda a criar nossos próprios projetos. Tudo pode ser feito através do terminal. Depois de saber como mexer nele, já tem o que precisa. Outra coisa boa sobre os sistemas Linux é que você não precisa reiniciar o sistema operacional toda vez que atualizar o computador, o que é adequado para servidores.

3. Segurança

Por causa da natureza do programas Open-Source, vários testes de vulnerabilidade são executados e corrigidos, às vezes, por centenas de programadores apaixonados para atingir altos padrões de segurança, portanto, esses sistemas apresentam muito menos falhas exploráveis ​​e portas traseiras. Não apenas isso, mas a grande variedade de "tipos" de Linux tornam mais difícil criar programas de malware eficazes, em comparação com os sistemas Windows. Claro que isso não significa que você pode baixar literalmente qualquer coisa, especialmente sem configurar um bom firewall e sem proteger seu sistema com senhas fortes, mas usando Linux e colocando em uso boas práticas de segurança, você terá uma proteção contra invasões, hackers e outras coisas não tão divertidas.

4. Funciona em basicamente qualquer máquina

Tem um laptop antigo jogado em algum lugar da casa? Ponha nele um Fedora ou Manjaro e me agradeça depois. Honestamente, o Linux permite que você tenha uma instalação muito mais limpa, consultar nos repositórios pacotes mais antigos e até mesmo escolher quando atualizar e o que instalar em sua máquina. Chega de pop-ups do tipo "Temos uma atualização para você" com os botões "Reiniciar agora" e "Ok". Do Raspbian (da Raspberry, sendo um sistema operacional baseado em Debian), por relógios inteligentes, a grandes e poderosos computadores do Google, Facebook e Twitter, todos usam Linux.

5. Free

O Linux foi criado com o objetivo de dar liberdade de computação aos indivíduos. A essência do projeto é ser livre e permanecer livre. Você pode baixar gratuitamente, inicializar do pendrive para experimentar e instalar o sistema quando quiser. Essa é outra vantagem para nós, alunos. Quem pode culpar as empresas por usarem Linux em seus servidores e desktops? Isso reduz bastante os custos de TI em alguns casos.

6. Altamente customizável

Deixe seu PC Linux do seu jeito. Adicione ou crie os sabores que você gosta. Não quer sair do ambiente Windows? Instale um ambiente XFCE. Experimente o GNOME, KDE, etc. para realmente expandir sua percepção do sistema. O computador, onde provavelmente você passará muito tempo, tem que refletir seus gostos, tem que ser construído especialmente para você, o usuário, o Super User*! Quer algo novo que você não tenha experimentado antes, mas que dê uma tech vibe (além de tornar seu sistema mais rápido, dando a você controle total sobre sua máquina para ser construída como você deseja), experimente um Window Manager, como DWM e i3 Formatar e instalar uma outra distro também é fácil devido à forma como os diretórios são feitos. Mesmo usando um único HD, não há muitos problemas quando chega a hora de trocar o sistema, por conta da forma com que o sistema organiza os arquivos. A propósito, ao contrário do Windows, o Linux não vai quebrar do nada ou ficar mais lento facilmente, então a troca de distros será muito mais uma escolha pessoal. *Super User é *semelhante* ao administrador do Windows

7. Repositórios

Softwares Open Source e sem rastreamento. A menos que você queira isso. Os Repositórios são geralmente separados entre software free e non free ('free' significa, é claro, 'free and open source'). Os softwares non free abrangem programas como drivers da NVIDIA, Steam e muitos outros. Ocasionalmente, você pode querer instalar um software que não esteja disponível no Linux (por exemplo, alguns jogos e alguns programas de software profissionais como o MATLAB), neste caso você pode baixar o instalador como faria no Windows e instalá-lo usando outro programa para Linux chamado WINE (acrônimo para 'WINE Is Not an Emulator'), pois cria uma pequena máquina virtual para executar o programa para você.

8. Comunidade

Tá, ok. O sistema pode falhar se você bagunçar de verdade, mas é aí que entram as Wikis, Unix.StackExchange e outras comunidades online para usuários Linux. Faça lá as suas perguntas e espere um pouco, muitas pessoas habilidosas provavelmente virão ao seu resgate. No DistroWatch é possível ficar por dentro das últimas notícias das diferentes distribuições, ler um pouco sobre elas e saber quais são as mais populares.



Se eu pude te convencer a experimentar, mas você está com um receio das eventuais complexidades de instalar e usar um sistema operacional bem diferente dos convencionais, não se preocupe: há versões (distribuições ou distros) que são mais amigáveis para iniciantes que irão te perdoar por cometer alguns erros, e até mesmo te oferecer um ambiente familiar de brinde. Como sugestão pessoal a iniciantes que não querem se desprender de cara do ambiente Windows, o Linux Mint cairia bem. Uma menção bastante honrosa vai para Manjaro, se destacando recentemente por ser bastante versátil e estável (keep in mind, por ser um Rolling Release, não existe Manjaro 2, 3, etc, a versão do Manjaro que você usa é sempre a atual devido a atualizações de sistema sem ter que reinstalar nada. Mas isso também significa que você precisa aprender como manter o sistema). Ubuntu é bastante famoso e conta com uma comunidade bem estabelecida. Acesse distrowatch.com para verificar o vasto menu que você tem em mãos, procure vídeos do youtube que possam te ajudar ou outros fóruns online, conforme discutido na seção Comunidade deste artigo, que o guiará por todo o processo.


>> Pro tip, no Unix.StackExchange aumente o ego das pessoas quando você se mostrar ser um novato, essa é o melhor escudo contra recepções duras por alguns veteranos. Por nada ;D


Autoria

Escrito por Phillip Gallas.

Universidade Federal do Piauí
Departamento de Engenharia Elétrica
Sigam-nos no Instagram
@petpotencia